Corvo: Corpo

A compreensão dos elementos mito-mágicos dos corvos começa pelo entendimento de suas características biológicas. Os textos abaixos têm por função oferecer um primeiro contato com essas características - a começar pela complexa variedade de aves pertencentes à grande família dos corvídeos.

 

Corvídeos: uma grande família

Birds of Britain - Corvus corone

 

Corvídeos: uma grande família

Western Scrub-JayOs corvídeos formam uma grande família composta pelos conhecidos corvos e jays, além de parentes próximos como os magpies, treepies, nutcrackers e choughs. São muito inteligentes e curiosos, como mostra este Western Scrub-Jay (esq.) que me observa todas as poucas vezes que tiro ervas daninhas de meu jardim frontal, ansioso por apanhar algum invertebrado que eu revele. Durante o séc. XIX surgiu a crença de que estes eram os pássaros mais desenvolvidos - teoria desenvolvida com base na crença Darwiniana de que a evolução traz "progresso". Por essa classificação, as "mais inteligentes" das aves eram listadas por último, refletindo sua posição "no topo da pirâmide evolutiva".

Atualmente, os biólogos rejeitam esse conceito de "progresso" hierárquico na evolução, de modo que os modernos taxônomos posicionam os corvídeos em algum ponto intermediário de seus catálogos. Os corvídeos são as maiores "aves canoras" da terra.

A maioria dos corvídeos é sedentária e não faz migrações significativas, mas de tempos em tempos um colapso de fontes de alimento pode criar "invasões" de corvos da montanha nas terras baixas.

Os corvídeos mais coloridos e exuberantes surgem nos trópicos. A espetacular foto de um Green Jay (esq.) no sul do Texas é apenas uma amostra da beleza dos jays tropicais. No Sudeste Asiático, os magpies Cissa chinensis ­e C. thalassina são exemplos dessa beleza surpreendente, e o México e a América Central apresentam diversas espécies diferentes e exóticas.  Talvez nenhuma seja mais apreciada do que o Tufted Jay (dir.) com seu exuberante topete frontal. É muito encontrado nas florestas nebulosas das barrancas do noroeste mexicano, deslocando-se em bandos esparsos pro vezes difíceis de serem localizados, mas curiosos e acessíveis quando nos aproximamos. Foi descoberto somente em 1934.

Tufted Jay

Mais de um terço da família dos corvídeos (41 espécies) é formado de corvos do gênero Corvus. Quase todos são negros (existem algumas espécies mescladas) e são identificáveis pelo tamanho, pelo formato e pela localização geográfica. Os corvídeos mais comuns são: o corvo comum C. corax. O corvo de bico grande (abaixo, esq.) era chamado de 'corvo da floresta' mas possui um bico típico de C. corax. Muitos dos corvos são melhor identificados através de suas vozes. Abaixo a direita, uma pega (magpie).

magpie

Sibley & Ahlquist (1990) mostram que os corvídeos surgiram na Australásia e de lá se espalharam pelo planeta.  Sibley & Ahlquist (1990), Sibley & Monroe (1990), e Sibley (1996) simplesmente agruparam os diversos grupos numa gigantesca família de corvídeos, relegando os demais à categoria de subfamília ou tribo. Essa abordagem limita a lista de "famílias de aves do mundo", mas (ainda bem, pelo meu ponto de vista) a maioria dos ornitólogos limita os corvídeos somente aos corvos, jays e parentes diretos, entendendo que os demais grupos são famílias separadas. A relação próxima entre esses grupos de corvídeos, contudo, é uma das maiores descobertas de Sibley e seus colegas, servindo para reorganizar as famílias do mundo.

Fotos e trechos do texto retirados de http://www.montereybay.com/creagrus/corvids.html © Dan Robertson

Obs.: No Brasil, dois representantes da família ampla dos corvídeos são a gralha azul - símbolo do estado do Paraná - e também o bem-te-vi, que pertence à família dos jays.

Topo

 

Birds of Britain - Corvus corone

Dentre todas as aves britânicas, o corvo é a mais detestada pelos avicultores e caçadores, pois são os mais habilidosos ladrões de ovos. As aves silvestres também sofrem gravemente com seus ataques.

Os corvos têm o costume de se postarem como sentinelas no alto de árvores isoladas, de onde podem observar o que ocorre nos arredores. Quando outras aves constroem seus ninhos, suas atividades são observadas e memorizadas pelos corvos vigias e, na hora certa, muitos ninhos serão atacados e roubados.

Mais tarde, quando a folhagem das árvores está mais densa dificultando o trabalho dos corvos de enxergar os ninhos de outras aves, eles costumam vigiar a movimentação das aves adultas que levam alimento aos filhotes e, novamente , partem para seus ataques impiedosos - desta vez levando os filhotes.

Por essas atividades, ele pode ser considerado um regulador natural das populações de aves e desempenha um papel importante ao desafiar o desenvolvimento de outras aves.

Por muitos anos morei em áreas pantanosas habitadas por grandes quantidades de corvos, que nidificavam em paz nas árvores às margens dos rios. Essas aves roubam praticamente todas as primeiras levas de ovos postos por patos e galinhas-dos-lagos no início da primavera. Numa primavera mais fria, os filhotes nascidos desses primeiros ovos provavelmente morreriam de fome, sendo que os filhotes nascidos da segunda leva de ovos postos pelas patas para repor os ovos perdidos possuem chances muito maiores de sobrevivência.

Quando uma ave perde seus primeiros ovos, ela geralmente procura um local mais escondido para construir seu segundo ninho - e seja como for, com o adiantado da primavera as folhagens oferecem melhor cobertura. Ao aprender a ludibriar a vigilância dos corvos, as aves também evitam a ação de outros predadores. Tendem também a vigiar melhor seus ovos e, quando precisam se afastar, fazem-no com mais cautela.

For da temporada de acasalamento, os corvos costumam patrulhar as margens dos rios, alimentando-se de carcaças de animais mortos e atacando aves feridas pelos caçadores. Alguns corvos povoam praia e estuários, onde se alimentam de caranguejos e mexilhões, cujas conchas eles quebram atirando-os de grandes alturas.

Corvos tendem a caçar sozinhos ou aos pares, diferentemente dos ROOKS, que atacam em bandos. Contudo, já vi cerca de 40 corvos reunidos em bando no início do verão. Eram todos jovens aves, oriundos de diversos ninhos e que passeiam em gangues, como é costume entre os adolescentes.

Pode-se diferenciar um corvo adulto de um filhote pelas penas negras que cobrem o início de seu bico - o filhote não as possui, exibindo pele nua na área. O gralhar do corvo é muito mais áspero e ressonante.

Em vastas áreas da Irlanda e da Escócia, o corvo comum é substituído pelo corvo-de-capuz, com sua plumagem cinza e negra; nas áreas limítrofes, as duas espécies acasalam entre si. A existência de duas raças diferentes em zonas climáticas vizinhas é um mistério.

Percy Trett

Fonte: www.birdsofbritain.co.uk

© 2005 Claudio Quintino Crow - Tradução

Topo

Ficha Técnica - Corvo

Nome Científico

Corvus corone corone

Habitat

Encontrado em praticamente todos os habitats - das montanhas frias aos centros urbanos.

Tamanho

47 cm (18½")

Segue para Corvo: Mente

Topo

MAPA DO SITE

© 2007, 2008, 2011 - Claudio Quintino Crow – Conteúdo do site registrado na Biblioteca Nacional – Lei Federal 9.610/98.
Proibida a reprodução total ou parcial da obra sem a prévia e expressa autorização por escrito do autor.